28 de março de 2018

Cuidar, cuidar e cuidar... AMAR


Cuidar, cuidar e cuidar...
Seus pais vão voltar a ser crianças, essa é a estimativa mais "natural", pois eu já vi o contrário.
Vi minha tia sendo cuidada pela minha vó. Dando banho, comida... E enterrando a própria filha. Sabe aquela história da matemática... A ordem dos fatores não altera o  produto, bem... Não funciona na vida não. Não há receita, simplesmente, paciência e muito amor, porque às vezes cansa. 
- Quê que eu posso fazer pra você não sentir dor?
-Segura a minha mão.

18 de fevereiro de 2018


A minha TPM me faz chorar, eu fico também raivosa de um jeito que não entendo.
As objetificações  surgiram no seu ponto mais alto: A SOLIDÃO!
O grito é calmo, sim é calmo!
Não reclamo mais, pelo menos eu tento.
É glorioso o sorriso e o abraço. É uma linda benção.
Digressões, de notas que se escrevem puramente, na matemática.
Eu queria somar e somar... O infinito, mas querem dividi-lo, não sei como?!... Mas sopraram no meu ouvido, que dá! Achei estranho, pois grupos inteiros dizem que o amor é compartilhado. Na verdade eu queria  tá rimando um verso, uma nova música... Mas sai tudo desfigurado, que nem o meu coração nesse exato momento, que tá TPM e vive em ciclos distantes e pertos de explosões vulcânicas, amorosas e doentias.

23 de novembro de 2017

O ceticismo é Glorioso!

A armadura que criei é desconhecida de mim.
O ceticismo é Glorioso!
Ainda bem que gosto dele, pois tenho que trabalhar
1 milhão de vezes para acreditar.
Guardadas as devidas não proteções, caminhamos bem...
O segredo bem guardado é verdadeiro e não mente.
O segredo bem guardado...
Mudou todos os capítulos e acrescentou a grade.
Falávamos de acordos, acordantes, para se dormir melhor.
Mas o sentido foi carimbado e a armadura desfigurou-se...

12 de setembro de 2017

RAINHA DOS RAIOS

Não é medo do poder, não mesmo. Minha relação com ele é de cumplicidade, quando eu tô no palco eu tenho poder. Eu simplesmente deixo ele quieto. E meu andar conversa com o céu e com o vento. Eu respeito os sinais e o vento acabou de tocar a minha pele. Tudo balança, a pequena palmeira balança... Eu troco de lugar e decido se as folhas caem ou não.

Escolhida pelo céu azul que me deixa flutuar.

É distraída que eu ando, pode parecer loucura!

Eu converso com o céu e digo: tá tudo bem, pode levantar essas árvores e movimentá-las
Pode... Deixar que suas raízes se grudem e girem, girem e girem...

Voltei e esse sol não me deixa quieta! 

16 de agosto de 2017

Fudemos com tudo!

Quando eu ando nas ruas, eu percebo a tristeza em cada canto. A única coisa que me vem na cabeça é de que a gente errou em algum momento e não dá pra descrever, esse raio que desmoronou o nosso elo. Por mais que estejamos querendo nos conectar, e fazemos esforços, o elo desapareceu e sinto que caminhamos com
certezas pobres
com certezas sem ritmos
com certezas mal criadas...
Tá difícil caminhar com essa naturalidade
tristonha, amarga...
Fudemos com tudo!

15 de julho de 2017

O discurso do opressor entrou em colapso

Basquiat, o teu início abriu portas.
Estamos em Roma. Dançamos 10%, criamos
nossa cidade invisível, choramos à beça, erramos
também! Que loucura!
Basquiat, não queremos pausas, queremos sorrisos e choros. Ah!
A decepção aconteceu e acho que não tem mais volta!
O que a Julia disse, melhor o que minha mãe diz: "cuidado com as palavras".
O discurso do opressor entrou em colapso.

16 de junho de 2017

Descansa essa alma perturbada cheia de tiros inocentes, pra acordar mais leve no submundo construído pelos sorrisos malvados. Vai lá, descansa! Que eu te dou o direito de me beijar. Dancei?Dancei sim e foi com você,meu caro docinho meio amargo. Ação.Ação?Ação!Ahhhhhsão.